Rabbit R1
    Créditos: Divulgação/Rabbit

    A empresa de tecnologia Rabbit está pronta para sacudir o mercado de assistentes virtuais com o lançamento do Rabbit R1, um dispositivo autônomo alimentado por inteligência artificial co-desenvolvido em parceria com a Teenage Engineering.

    Com um preço de US$ 199 (cerca de R$ 972), o R1 promete trazer uma experiência única e ambiciosa aos consumidores, que vai além de substituir smartphones. A novidade foi apresentada por Jesse Lyu, CEO e fundador da Rabbit, durante um evento de lançamento.

    O Rabbit R1 possui um design compacto, com uma tela sensível ao toque de 2.88 polegadas, uma câmera giratória para fotos e vídeos, e um botão de rolagem para navegação e interação com o assistente virtual integrado.

    Com um processador MediaTek de 2.3GHz, 4GB de memória e 128GB de armazenamento, o R1 promete oferecer desempenho e versatilidade. A empresa não divulgou detalhes específicos sobre a duração da bateria, mas garante que o dispositivo dura “o dia inteiro”.

    JBL inova com caixas de som portáteis que trocam de bateria

    Apesar de seu tamanho compacto, o R1 impressiona com sua qualidade de construção e usabilidade. Durante o evento de lançamento, o dispositivo se destacou pela sua leveza, botões responsivos e conforto ao segurá-lo. O design arredondado do dispositivo é resultado de uma colaboração com a Teenage Engineering, conhecida por sua excelência em design industrial.

    Divulgação/Rabbit

    O verdadeiro destaque do Rabbit R1 está em seu sistema operacional, chamado Rabbit OS, e na tecnologia de inteligência artificial subjacente. Ao contrário de modelos de linguagem como o ChatGPT, o Rabbit OS é baseado em um “Modelo de Ação Ampliado” que serve como um controlador universal para aplicativos.

    Com o Rabbit OS, os usuários podem controlar música, pedir um carro, fazer compras de supermercado, enviar mensagens e muito mais, tudo por meio de uma única interface intuitiva.

    Churrasqueira com IA faz carne perfeita em 90 segundos

    Ao invés de depender de APIs e convencer desenvolvedores a suportar o R1, a Rabbit treinou seu modelo para interagir com aplicativos existentes, como Spotify e Uber. Essa abordagem permite que o R1 funcione com praticamente qualquer aplicativo, independentemente da plataforma ou dispositivo.

    Além disso, o dispositivo possui um modo de treinamento dedicado, permitindo aos usuários ensiná-lo a executar tarefas específicas.

    Divulgação/Rabbit

    Apesar de todas as promessas e inovações, a visão completa da Rabbit para o Rabbit R1 ainda não está clara. O dispositivo não é poderoso o suficiente para substituir completamente um smartphone, embora possua funcionalidades como videochamadas e suporte para cartão SIM.

    O Rabbit OS, projetado com segurança e privacidade em mente, também solicita aos usuários que façam login em seus serviços mais usados por meio de sua interface.

    O Rabbit R1 já está disponível para pré-venda, e a empresa planeja iniciar as entregas em março. Jesse Lyu, CEO da Rabbit, acredita que pode até mesmo superar o AI Pin da Humane no mercado. Com sua ambição e inovação, o Rabbit R1 promete ser um competidor formidável no cenário de assistentes virtuais e dispositivos alimentados por IA.

    Share.