SpaceX lança satélites de celulares
    Créditos: Reprodução/SpaceX

    A SpaceX anunciou que planeja remover cerca de 100 satélites Starlink, de sua constelação de internet, devido a uma falha de projeto que pode causar erros operacionais.

    Em um comunicado no dia 12 de fevereiro, a SpaceX disse que, por segurança, fará descidas controladas dos satélites da “versão 1” com receio de que as espaçonaves falhem em órbita e não possam mais ser manobradas.

    Esses satélites são manobráveis ​​no momento e atendem aos usuários com eficiência, mas a equipe da Starlink identificou um problema comum que poderia aumentar a probabilidade de falha no futuro“, afirmou a SpaceX, sem oferecer mais detalhes sobre a falha identificada.

    Amazon escolhe SpaceX, de Elon Musk, para impulsionar projeto de internet via satélite

    De acordo com estatísticas mantidas por Jonathan McDowell, a SpaceX tem 5.438 satélites Starlink em órbita, de um total de 5.828 lançados até hoje. Entre eles, encontram-se unidades mais antigas de um grupo inicial de satélites lançados em 2019 e 2020. Estes, inclusive, não possuíam as viseiras adicionadas aos modelos posteriores – estruturas destinadas a reduzir a quantidade de luz solar refletida, mitigando seu brilho.

    A SpaceX disse que os satélites que estão sendo desorbitados terão suas órbitas reduzidas gradualmente em cerca de seis meses. Além disso, garantiu que “todos os satélites manterão as capacidades de manobra e prevenção de colisões durante a descida.

    O crescimento excessivo da constelação Starlink (de longe a maior em órbita) desencadeou um debate sobre gestão de tráfego espacial e sustentabilidade a longo prazo. Há um clamor cada vez maior por novas regulamentações para diminuir o número de satélites e detritos, além de garantir que estes sejam prontamente desorbitados no final de suas vidas úteis.

    Starlink cobra 18 vezes mais que o contratado de fazendeiro em MS

    Especialistas defendem que novas regras poderiam exigir a desativação de satélites em até cinco anos após o fim de suas operações, em vez dos 25 anos estabelecidos anteriormente por comitês como o Comitê Interagências de Coordenação de Detritos Espaciais (IADC). É provável que essas regulamentações surjam por medidas nacionais individuais, ao invés de tratados internacionais.

    A perda de satélites mais antigos não afetará os serviços de banda larga da Starlink garante a SpaceX. “A experiência do cliente do Starlink não será afetada” pela desativação, disse a empresa que ressalta sua capacidade de “construir até 55 satélites por semana e lançar mais de 200 satélites por mês.

    Fonte: SpaceX

    Share.