Nasa SpaceX sonda Odysseus Odie
    Créditos: Divulgação/SpaceX

    Na madrugada desta quinta-feira (15), a SpaceX e a Nasa lançaram a sonda espacial “Odysseus” em uma missão histórica para a Lua. A bordo de um foguete Falcon 9 da SpaceX, o módulo lunar apelidado de “Odie” partiu do Centro Espacial Kennedy na Flórida com o objetivo de fazer a primeira aterrissagem de uma nave espacial fabricada nos EUA na Lua em cinco décadas.

    O lançamento de Odie segue de perto uma missão separada de pouso lunar dos EUA que falhou em janeiro. A Nasa intensificou o desenvolvimento de naves espaciais robóticas por meio de parceiros privados para avaliar o ambiente lunar e identificar recursos-chave – como a presença de água – antes de tentar devolver astronautas à Lua no final desta década.

    A jornada de Odie até a Lua será longa e complexa. O foguete Falcon 9 lançou a sonda em uma órbita terrestre, e Odie agora precisa atingir velocidades de até 11 km/s para alcançar a Lua. O módulo lunar consultará um mapa das estrelas a bordo para se orientar no espaço e apontar seus painéis solares para o Sol. Odie estará em um caminho oval ao redor da Terra por cerca de 18 horas antes de ligar seu motor novamente e continuar sua viagem acelerada em direção à superfície lunar.

    Pelo menos 100 satélites da Starlink vão ser retirados de órbita

    A Lua, que orbita a cerca de 400 mil km da Terra, dará a Odie um suave puxão gravitacional à medida que a sonda se aproxima. O pouso está previsto para 22 de fevereiro, em uma cratera perto do polo sul da Lua. Será uma jornada perigosa, e Odie se juntará a uma lista de missões que tentaram pousar na Lua sem sucesso se falhar.

    A missão de Odie à Lua pode ser considerada uma espécie de missão de reconhecimento, projetada para avaliar o ambiente lunar antes do plano da Nasa de retornar uma missão tripulada à Lua por meio do programa Artemis no final de 2026. O polo sul da Lua é uma área de grande interesse, pois se pensa que a região abriga reservas de água gelada, um recurso crucial para futuras missões espaciais.

    A bordo do módulo lunar estão seis cargas úteis de ciência e tecnologia da Nasa, incluindo um sistema receptor de rádio que estudará o plasma lunar e um novo sensor que poderá ajudar a orientar pousos de precisão. Odie também abriga cargas tecnológicas e comemorativas do setor privado, como um material de isolamento especial da Columbia Sportswear e uma escultura representando as fases da Lua projetada em consulta com o artista Jeff Koons.

    China lança primeiro satélite 6G do mundo

    O módulo lunar também possui um sistema de câmeras chamado EagleCam, desenvolvido por estudantes da Embry-Riddle Aeronautical University. A EagleCam está configurada para sair do módulo lunar à medida que se aproxima da superfície e captar imagens da descida do veículo. “Esperamos ter uma visão panorâmica desse pouso para compartilhar com o público”, disse Stephen Altemus, CEO da Intuitive Machines, empresa que desenvolveu o módulo lunar.

    Odie espera operar por sete dias na superfície lunar antes que a escuridão caia no local de pouso, bloqueando os painéis solares da espaçonave e mergulhando-a em temperaturas congelantes. A missão de Odie é um marco importante na história da exploração espacial e representa um passo crucial para o retorno dos humanos à Lua.

    Via: g1

    Share.