Receita Federal / Greve dos auditores da Receita Federal
    Créditos: Marcelo Camargo/Agência Brasil

    Os auditores da Receita Federal decidiram encerrar a greve após aceitar a proposta apresentada pelo governo Lula. A decisão foi tomada em assembleia que ocorreu nesta quinta-feira (8).

    A categoria aceitou os valores propostos pelo governo para o bônus remuneratório, vinculado ao atingimento de metas, que será progressivamente implementado até 2027.

    A greve, que afetou diversas áreas, será oficialmente encerrada a partir desta sexta-feira (9), com a manutenção do estado de mobilização até a assinatura do decreto, prevista para acontecer em até 15 dias úteis.

    Imposto em compras acima de US$ 50 afastou brasileiro, diz AliExpress

    A greve dos auditores da Receita Federal, que durou três meses, teve um impacto significativo na economia brasileira. Uma das principais consequências foi a interrupção do fluxo de importações, causando atrasos na entrega de produtos e prejuízos para empresas e consumidores.

    Milhares de compras ficaram paradas em portos e aeroportos durante o período natalino, frustrando as expectativas de muitos que aguardavam presentes e outros itens. Além disso, a operação padrão realizada pelos grevistas, com liberação apenas de produtos essenciais e inspeções rigorosas em bagagens, gerou filas e transtornos para viajantes.

    Com o fim da greve, espera-se que a normalização das atividades da Receita Federal traga um alívio para a economia. A retomada do fluxo de importações deve beneficiar empresas e consumidores, com a diminuição dos prazos de entrega e a regularização do abastecimento de produtos no mercado interno.

    O acordo entre o governo e os auditores põe fim a um período de incerteza e abre caminho para a recuperação das perdas causadas pela paralisação. No entanto, os efeitos da greve ainda podem ser sentidos por algum tempo, até que a situação se normalize completamente.

    Enquanto os auditores encerram a greve, servidores do Banco Central enfrentam impasse nas negociações com o governo.

    Após uma nova rodada de negociações, realizada nesta quinta-feira (8), não houve acordo entre as partes. A categoria rejeitou a proposta apresentada pelo Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos.

    A proposta do governo para os servidores do Banco Central foi considerada “inaceitável” e “desrespeitosa” pela Associação Nacional dos Analistas do Banco Central do Brasil.

    Dentre os pleitos da categoria estão a criação de uma retribuição por produtividade institucional, aumento do subsídio e exigência de nível superior para cargo técnico.

    Fonte: Agência Brasil

    Share.