A China instalou mais painéis solares em 2023 do que todos os Estados Unidos em sua história. Segundo a Administração Nacional de Energia (NEA), o país adicionou 217 gigawatts (GW) de capacidade solar no ano passado, superando seu próprio recorde de 87 GW em 2022.

    O número foi ainda mais surpreendente por conseguir ultrapassar o total de capacidade instalada pelos Estados Unidos ao longo de toda a história. Conforme revelado pela Bloomberg, o número ultrapassa os 175 GW já instalados pelos EUA.

    Esse avanço impressionante representa um aumento de 55% na capacidade solar da China em relação a 2022. Além disso, o país registrou um crescimento de 21% na capacidade eólica.

    Foto:
    Nuno Marques/Unsplash

    O investimento chinês em energia limpa foi impulsionado pelo objetivo de garantir a segurança energética. Além de promover a transição para um modelo verde e de baixa emissão de carbono, e aumentar a produção de gás metano de carvão subterrâneo, de acordo com Zhang Xing, vice-diretor geral e porta-voz da NEA.

    O mercado nacional de energia ainda carece de maior unificação, de acordo com Liu Gang, vice-diretor do departamento de supervisão de mercado da NEA. Ele aponta intervenções indevidas em determinadas regiões e designações não autorizadas de participantes do mercado como entraves a serem superados.

    Leia também: Importar carros elétricos e placas solares no Brasil está mais caro a partir de hoje

    Com uma capacidade já superior a 30 GW, o país atingiu dois anos antes do previsto a meta estabelecida no plano quinquenal para o setor. Esse crescimento é atribuído, em grande parte, a investimentos de mais de 100 bilhões de yuans (cerca de US$ 13,9 bilhões) nos últimos anos e à adoção de novas tecnologias, como baterias de íon-lítio.

    A China segue desempenhando um papel fundamental no desenvolvimento global de energia limpa. Em 2023, o país foi responsável por mais de 50% da capacidade renovável adicionada no mundo, totalizando 510 GW, de acordo com dados da NEA.

    Wang Wenbin, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, reafirmou o compromisso do país com a transição para a energia limpa, destacando seu papel de “protagonista” nesse processo.

    Fonte: Carbon Brief

    Share.