Elon Musk / Elon Musk YouTube
    Créditos: Reprodução/YouTube/Real Time with Bill Maher

    Elon Musk, dono da rede social X (ex-Twitter), prepara-se para lançar um aplicativo de streaming de vídeo para smart TVs, desafiando o gigante YouTube. A novidade, prevista para a próxima semana, estará disponível para smart TVs Amazon e Samsung, segundo a revista “Fortune”.

    O objetivo de Musk é aumentar a participação do X no mercado de streaming de vídeo e torná-lo mais atraente para influenciadores e anunciantes. Ele quer incentivar os usuários a assistirem “vídeos longos em uma tela maior” e já pediu que criadores de conteúdo migrem seus vídeos para o X, prometendo fluxos de receita de anúncios aprimorados.

    A plataforma seria “idêntica” ao aplicativo de TV do YouTube, rival que Musk quer superar. A estratégia surge em meio a uma perda de usuários e anunciantes pelo X. A Edison Research indicou uma queda de 30% no uso da plataforma nos EUA no último ano.

    Em relação à publicidade, Musk também enfrentou problemas: anunciantes deixaram a plataforma após ele endossar uma teoria da conspiração antissemita. Ao pedir desculpas, ele acusou as marcas de “chantagem” e disse: “Não anuncie”.

    O valor do X também caiu desde a compra por Musk em outubro de 2022. A Fidelity, que contribuiu com US$ 300 milhões para a compra, divulgou que, até novembro de 2023, o valor do X é 71,5% menor do que os US$ 44 bilhões pagos por Musk.

    Desde que comprou o Twitter em outubro de 2022, Elon Musk implementou diversas mudanças, algumas controversas. Uma das primeiras medidas foi demitir o CEO Parag Agrawal e outros executivos seniores.

    Em seguida, Musk dissolveu o conselho de administração e se tornou o único diretor da empresa. Ele também cortou cerca de 3.700 funcionários, aproximadamente 30% da força de trabalho.

    Relatório sugere que grande parte do tráfego no X foi de bots durante o Super Bowl

    Novas funcionalidades e foco em liberdade de expressão

    Musk introduziu novas funcionalidades, como o botão de editar tweets e a autenticação de dois fatores por SMS paga. Também reativou contas banidas anteriormente, como a do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump. Musk se autoproclama defensor da liberdade de expressão e afirma que o Twitter deve ser um espaço para debate aberto, mesmo de ideias controversas.

    Reações mistas e incertezas sobre o futuro

    As mudanças de Musk geraram reações mistas. Alguns usuários aplaudem a maior liberdade de expressão, enquanto outros criticam a desorganização e o aumento de conteúdo tóxico na plataforma. Há também incertezas sobre o futuro do Twitter, com a queda de receita e a fuga de anunciantes.

    Fonte: Fortune

    Share.