Elon Musk sofre críticas do Grok / musk drogas
    Créditos: Getty Images

    O bilionário Elon Musk tem sido motivo de preocupação para executivos das empresas Tesla e SpaceX, das quais é proprietário, devido a alegações de uso de drogas ilícitas, como LSD, cocaína, ecstasy e cogumelos psicodélicos. A informação foi revelada no último sábado (6) pelo jornal norte-americano The Wall Street Journal, que ouviu fontes próximas ao homem mais rico do mundo.

    De acordo com a reportagem, Musk teria consumido substâncias ilícitas em festas privadas, nas quais os convidados eram obrigados a assinar acordos de confidencialidade e entregar seus telefones celulares antes de entrar no evento.

    Musk já havia admitido publicamente o uso de drogas e afirmado ter receita médica para cetamina, um anestésico com efeitos psicodélicos que, em microdoses, é utilizado para tratar a depressão. Vale destacar que esse fármaco foi detectado em grande quantidade na autópsia do ator Matthew Perry, que morreu afogado em sua própria banheira em outubro do ano passado.

    Veja: Musk, Zuckerberg, Bezos: os 10 bilionários que mais enriqueceram em 2023

    Fontes próximas a Musk expressaram preocupação não apenas pela saúde do bilionário, mas também pela possível interferência de seu comportamento no comando das empresas que ele controla. Além da Tesla e SpaceX, ele desempenha papéis de liderança no X, ex-Twitter, na empresa de construção de túneis The Boring, na desenvolvedora de implantes cerebrais Neuralink e na startup de inteligência artificial xAI.

    Segundo informações da reportagem, em algumas ocasiões, Musk teria participado de reuniões e concedido entrevistas sob o efeito de entorpecentes.

    Um dos casos mais notórios ocorreu em setembro de 2018, quando Musk fumou maconha durante o videocast do comediante e comentarista esportivo Joe Rogan. Essa ação resultou em uma queda de 9% nas ações da Tesla no dia em que as imagens foram divulgadas.

    Além disso, o Pentágono revisou a autorização de segurança federal vinculada à posição de Musk como CEO da SpaceX, empresa certificada pelo governo americano para fornecer satélites a agências de segurança nacional.

    A NASA também tomou medidas, exigindo garantias de que a SpaceX estava em conformidade com a Lei do Local de Trabalho Livre de Drogas, uma regulamentação federal obrigatória para empresas que prestam serviços ao governo americano. A SpaceX é a única empresa nos Estados Unidos autorizada a transportar astronautas para a Estação Espacial Internacional.

    Veja: SpaceX lança primeiros satélites que vão fornecer internet às redes de celulares

    Em resposta às alegações, Musk se pronunciou em seu perfil no X, afirmando: “Depois daquela única tragada com [Joe] Rogan, eu concordei, a pedido da NASA, em fazer três anos de testes aleatórios de drogas. Nem mesmo vestígios de álcool ou drogas foram encontrados.”

    Alex Spiro, advogado de Musk, também comentou as alegações ao jornal norte-americano, afirmando que o bilionário é “regularmente e aleatoriamente testado para drogas na SpaceX e nunca falhou em um teste”. Spiro ainda acrescentou que o artigo do jornal menciona “fatos falsos”, embora não tenha fornecido detalhes adicionais.

    Fonte: The Wall Street Journal

    Share.