Duolingo / duolingo inteligência artificial
    Créditos: Shutterstock

    O Duolingo, conhecido por seu aplicativo de aprendizado de idiomas, anunciou a demissão de aproximadamente 10% de sua força de trabalho, conforme a empresa passa a adotar uma abordagem mais intensiva de inteligência artificial (IA) em suas operações.

    Embora não todos os cortes estejam diretamente relacionados à tecnologia, a empresa está reformulando a maneira como gera e compartilha conteúdo por meio da IA.

    Segundo a empresa sediada em Pittsburgh, essas demissões não afetaram os funcionários em tempo integral, e o Duolingo fez esforços para encontrar funções alternativas antes de recorrer ao “off-boarding”.

    Com 24,2 milhões de usuários ativos diários e 5,8 milhões de assinantes pagos, a plataforma de ensino de idiomas continua sua jornada de aprimoramento por meio da IA.

    Duolingo revela os idiomas mais populares de 2023 na plataforma

    O Duolingo já estava aprimorando sua oferta com IA, introduzindo o “Duolingo Max” em março, que incorpora o modelo de linguagem avançado GPT-4 da OpenAI. Essa adição permitiu conversas completas com um chatbot para prática de habilidades e explicações geradas por IA sobre as respostas certas ou erradas. O CEO Luis von Ahn destacou que a IA generativa está acelerando a criação de conteúdo.

    Duolingo confirma lançamento de aulas de música e matemática

    Com as mudanças recentes, a IA será cada vez mais utilizada na criação de frases para cursos, na produção de listas de traduções aceitáveis e na revisão de relatórios de erros dos usuários, agilizando as correções.

    No entanto, a empresa enfatizou que a IA não substituirá totalmente o trabalho humano. “Não estamos trocando a experiência de especialistas humanos pela IA. A IA é uma ferramenta que usamos para aumentar a produtividade e a eficiência“, afirmou o Duolingo em entrevista ao canal de notícias CNN.

    Essa mudança reflete uma tendência crescente no setor de tecnologia educacional, onde muitas empresas estão buscando a automação de tarefas por meio da IA. De acordo com um relatório de novembro do ResumeBuilder, 37% das empresas pesquisadas afirmaram ter substituído trabalhadores por IA em 2023, e 44% esperam que a tecnologia resulte em demissões em 2024.

    Outras empresas, como a Chegg, também seguiram esse caminho, cortando parte de sua força de trabalho para impulsionar estratégias de IA e criar valor sustentável a longo prazo. No entanto, o CEO da IBM, Arvind Krishna, esclareceu que a IA não deve eliminar empregos, mas sim criar mais oportunidades de trabalho no futuro.

    Em um cenário em que a IA se torna cada vez mais relevante, o Duolingo busca equilibrar a eficiência da tecnologia com a expertise humana, mantendo-se firme em sua missão de fornecer educação de alta qualidade por meio de sua plataforma de ensino de idiomas.

    Fonte: CNN

    Share.